domingo, 25 de janeiro de 2009

"Strella" no Dakota FAP

DAKOTA após a aterragem na pequene pista

Diagrama da viagem . CLICK p/ampliar
*
Quem presenciou o jantar de 06 de Maio de 1974, que se realizou na boite "Bagdade", em Nampula, nem sequer suspeitaria de que alguns dos clientes que ali jantavam, estariam a viver uma segunda vida.
Tudo porque, naquele mesmo dia, cerca das 13 horas, um avião DAKOTA, da Força Aérea Portuguesa, com a matrícula 8174, que havia levantado voo de Namgade com destino a Nampula, transportando uma delegação de Adidos da África do Sul (1), Alemanha (1), Grã-Bretanha (1) , Estados Unidos da América (2) e Brasil (2), além do Alferes Alves, dos Comandos, que era o Oficial de Ligação, e tripulado pelo Capitão Pilav José Assunção, piloto da aeronave, o Alferes Costa, co-piloto, 1º. Sargento Roma Pereira e 1ºs. Cabos Pinheiro e Agostinho, tripulantes, tinha sido atingido por um míssil "Strella", que havia sido disparado pela FRELIMO, quando voavam entre Diaca e Mueda, num desvio de rota imposto pelo mau tempo que se fazia sentir.
Dado o estado deplorável da aeronave, que ameaçava "desintegrar-se" a todo o momento, como provava aquela bocadagem de chapa que se ia soltando uma após outra, após o embate do engenho explosivo, o Piloto resolveu-se pela utilização de uma pequena pista destinada ao treino de avionetas, que ficava situada em Nancatari, para aí tentar aterrar o DAKOTA em segurança, considerando os VIP que levava a bordo.
Segundo relatam algumas testemunhas, o Brigadeiro Alfredo César, Adido Brasileiro, terá dito então aos Americanos, seus companheiros de aventura: "Aqui é como no Brasil: se corre bem, corre tudo bem, se corre mal, corre tudo mal! Vocês têm a mania de serem os melhores do mundo, que têm uma Força Aérea que é a mais capaz de todas, mas não chegam sequer aos calcanhares dos Portugueses!".
"Como assim?" - pergunta um dos americanos, que também falava português.
"É que - prosseguiu o Brigadeiro Brasileiro - nós fomos sériamente atingidos quando passámos à vertical de Mueda, o piloto põe-nos no chão, nas condições que pudemos verificar, ainda mal aterrámos e já tinham os helicópteros prontos para nos evacuar. Chegamos a Mueda e já lá encontramos um avião pronto para nos transportar para a base (Nampula). Diga lá como é que vocês alguma vez conseguiriam fazer uma coisa destas?".
Importará dizer que o DAKOTA 6175, tinha o motor direito a arder e "latas" a soltar-se por tudo quanto era lado, mas o Piloto Assunção fez-se à pista - que teria cerca de 350 a 400 metros e estava ocupada por alguns militares que jogavam à bola - , sofre um impacto ao tocar no solo, faz um cavalo de pau sobre a esquerda e... imobilizou-se, depois deste pensamento do Piloto: "Zé... acabou-se! O Zé morre hoje e não há mais nada!". Mas afinal sempre havia!
Na "Bagdade" a festa foi de arromba, e aqueles Adidos estavam mesmo doidos de todo! Pudera! Não era caso para menos.

6 comentários:

  1. O COMENTARIO QUE POSSO FAZER É COMFIRMAR QUE A DESCRIÇAO DO ACIDENTE ESTA CORRECTA POIS NESSE DIA EU ERA UM DOS SOLDADOS QUE ESTAVA NO LOCAL A JOGAR A BOLA E ASSISTI A TODA MANOBRA DO PILOTO.COMPºCAÇ.4153 OS ´´SPEEDYS NO DURO´´.

    ResponderEliminar
  2. EU TAMBEM ESTAVA LÁ NESSE DIA E POSSO CONFIRMAR TUDO QUE ATRÁS FOI DITO.
    ACRESCENTO QUE ERA TUDO UMA GRANDE HIPROQUISIA ,POIS NESSE DIA OS HELICOPTEROS LEVANTARAM DE MUEDA PARA "RESGATAR" OS ADIDOS MILITARES SÓ PORQUE ELES NÃO QUISERAM DORMIR NO NOSSO AQUARTELAMENTO E APESAR DE JÁ ESTARMOS NA "HORA MACONDE" OE HELIS VIERAM DE LUZES ACESAS E FOI MUITO DIFICIL CONVENCERMOS OS NOSSOS SOLDADOS A NÃO DISPARAREM CONTRA OS HELIS , PORQUE ELES FICARAM INDIGNADOS ,POIS SABIAM SE FOSSE POR CAUSA DELES E SE FOSSEM ATINGIDOS NO MATO, DEPOIS DA HORA MACONDE NÃO HAVIA EVAQUAÇÕES.
    ATÉ QUALQUER DIA.
    FURRIEL MILICIANO. DIAS NºMEC.002805/73 DA C.CAÇ.4153 "OS SPPEDYS NO DURO".

    ResponderEliminar
  3. O oficial de ligação não era dos Comandos nem se chamava Alves. Chamava-se Helder Diniz e era intérprete do Comando=Chefe = eu próprio.

    ResponderEliminar
  4. GRANDE VALENTIA E SANGUE FRIO QUE OS COMBATENTES PORTUGUESES DEMONSTRARÃO EM AFRICA SÓ PORQUE A NOSSA BANDEIRA TINHA SINCO QUINAS MAS ALGUNS DAQUELES QUE TOMBARÃO AINDA CONTINOÃO POR LÁ ABANDONADOS PARA TODOS OS COMBETENTES QUE POR LÁ PASSARÃO O MEO ABRAÇO ..

    ResponderEliminar
  5. Eu gostava que aqui e passados já mais de 40 anos ,não houvesse anónimos a comentar ,pois parece que ainda há medo medo de quê ?,gostava de saber ,saudações veteranas

    ResponderEliminar
  6. Conheço a ocorrência pela boca do Radio-telegrafista 1º Cabo Pinheiro e porque conheci o autor do disparo do míssil que atingiu a aeronave quando este no período de transição Setembro Outubro 1974 quis conhecer o radio-telegrafista no clube de especialistas do AB8 em L.M. Sede da Esquadra DC3. Um 2º míssil não foi disparado porque a arma encravou.

    ResponderEliminar