domingo, 26 de abril de 2009

25 de Abri... uma reflexão !

O 25 de Abril de 1974 é uma data de que quem se encontrava em missão de soberania na defesa da Pátria portuguesa em Moçambique jamais se esquecerá.
Não que não desejassem ver terminada a pungente saudade dos entes queridos, que sentiam nos seus corações; não que não quizessem ver findar uma guerra em que iam perecendo alguns dos melhores filhos da Pátria; não que não pretendessem estender a mão ao outrora inimigo e partilhar com ele o generoso fruto do seu trabalho, cooperando para que fossem herdeiros orgulhosos da nova Nação em embrião, pois era esse o caminho que desde há muito se adivinhava para as antigas possessões portuguesas do Ultramar.
O 25 de Abril veio escancarar as portas das independências... mas não cuidou de saber acautelar aquilo que iria ser o dia 26, com a onda de violência sobre o "odioso colonialista branco e os seus colaboradores"... que vieram a ter que prestar contas por... não terem culpa de nada daquilo que foram os anos da guerra entre as Forças Armadas Portuguesas e a FRELIMO, pois estes pretendiam lutar pela sua auto-determinação e independência, enquanto aqueles apenas e tão só cumpriam o seu dever de Militares que protegiam as populações contra a sanha terrorista, que não olhava a meios para atingir os fins: "É NECESSÁRIO MATAR? ENTÃO MATAMOS!".
Nos meses seguintes ao 25 de Abril, a FRELIMO recrudesceu os seus ataques às populações e às Forças Armadas, matando apenas para poderem provar que tinham a força das armas do seu lado, mesmo atacando aeronaves em voo humanitário de transporte de doentes civis.
É assim que morre o Major Fernando José Castelo, cujo "héli" foi abatido por alturas da assinatura desse memorando que ficou conhecido nos anais da história porAcordos de Lusakae foi protagonizado por Samora Machel, Joaquim Chissano, Armando Guebuza, Alberto Chipande, Óscar Monteiro, Bonifácio Gruveta, Sebastião Mabote, Jacinto Veloso - Piloto da Força Aérea Portuguesa que desertou para as fileiras da FRELIMO -, Mariano Matsinha, Xavier Salila, Joaquim Munhepe, Mateus Malichocho, João Phelembe, Joaquim de Carvalho, José Mosane e Graça Simbine, após um frente a frente acontecido naState Houseem Lusaka, na Zambia, e uma delegação portuguesa liderada por Mário Soares - Ministro dos Negócios Estrangeiros, da qual também faziam parte Ernesto Augusto Melo Antunes - Ministro sem Pasta, António de Almeida Santos - Ministro da Coordenação Interterritorial, Victor Manuel Trigueiros Crespo - conselheiro de Estado, Antero Sobral - Secretário do Trabalho e Segurança Social do Governo Provisório de Moçambique, Nuno Alexandre Lousada - tenente-coronel de infantaria, Vasco Fernando Leote de Almeida e Costa - capitão-tenente da Armada, Luís António de Moura Casanova Ferreira - major de infantaria.
Foi no dia o1 de Setembro de 1974 que a FRELIMO tomou o quartel do Exército sediado em Nangade, numa tomada de posição que pretenderia mostrar haver uma disposição para continuar a luta.
A revolução de 25 de Abril de 1974 ficou directamente ligada à guerra colonial, não só na fase inicial do Movimento dos Capitães, mas principalmente porque se supõe ter-se então tomado consciência de que apenas uma solução política poderia pôr termo a essa guerra e essa solução política teria de passar, forçosamente, por uma mudança de regime.
Pena foi o não terem aquilatado sobre quais as consequências de uma liberdade plena, que viria a mostrar-se potenciadora de alguns acontecimentos que, ainda hoje, continuam como ferida na alma de quem os viveu.

1 comentário:

  1. DEVEMOS AVIVAR A NOSSA MEMÓRIA, LEMBRANDO QUE "ORGULHOSAMENTE SÓS",CUSTOU A TODOS NÓS MUITOS DISSABORES.
    NEM OS EXEMPLOS DE GOA DAMÃO E DIU, ALTEROU A POLÍTICA EM RELAÇÃO A ANGOLA GUINÉ E MOÇAMBIQUE.
    COM CONVICÇÃO AFIRMO SE EM 65, E NA PIOR DAS SOLUÇÕES EM 68, QUANDO NÓS CONSEGUIMOS EM CABO DELGADO, ESTANCAR A "GUERRILHA", OS REPONSÁVEIS TIVESSEM DADO OS PRIMEIROS PASSOS, NO SENTIDO DE PREPARAREM A POPULAÇÃO CIVIL, PARA ENCARAR A INDEPENDENCIA, COMO FACTO NECESSÁRIO, TUDO SERIA BEM DIFERENTE.
    FICA ESTA PEQUENA HISTÓRIA PARA MEDITAREM...E A INDEPENDENCIA DAS EX-COLÓNIAS TERSIDO SÓ EM 74...

    ResponderEliminar