terça-feira, 5 de outubro de 2010

ACORDA, POVO!








A FRELIMO, sendo um "Partido" que desde sempre tem vindo a deter o poder em Moçambique, não deveria ter receios do aparecimento de novos Partidos, uma vez que, sendo maioritária, tem formas de controlar e levar o Povo Moçambicano a seguir as suas políticas...aliás o que tem acontecido desde que foi a única força negociadora dos acordos tendentes à independência.
No entanto, parece que o aparecimento do Movimento Democrático de Moçambique, talvez porque lembra os senhores do poder que Uria Simango foi assassinado por aquilo que representava para o seu Povo, porque era um líder prestigiado de tal modo que Samora o temeu. Foi portanto necessário dar-lhe sumiço... e apenas esperaremos que o seu herdeiro Daviz Simango não venha a ser sacrificado em holocausto da Pátria Moçambicana.
Afonso Dlhakhama e a RENAMO foram, durante muito tempo, uma pedra no sapato da FRELIMO, mas ele devia saber que uma mentira repetida até à exaustão torna-se numa "verdade", ainda que se veja a quilómetros ser um embuste tudo aquilo que se vem dizendo.
O Povo está cansado... porque tem sido chamado a optar sempre pelos mesmos que os governam desde que foram independentes e vê com apreensão que estes não pretendem ter ninguém a fazer-lhes frente. Com a RENAMO foi a guerra... com o MDM o que será? Qualquer constituição democrática confere direitos ao Povo, que pode optar por ser militantre de qualquer um dos Partidos, pois assim é determinado constitucionalmente.
Moçambique não é coutada de nenhum Partido... e estes apenas têm de encontrar forma de dar ao Povo bem estar, saúde, progresso, educação, trabalho, paz a todos os níveis, igualdade de oportunidades. É tempo de distribuír equitativamente os bens existentes no País, que apenas tem previlegiado aqueles que estão filiados no Partido governamental.
É assim que há um Presidente que tem fama de ser o homem mais rico de Moçambique - quando o conheci era um fulano remediado, que não passava privações mas não tinha fortunas no Banco Nacional Ultramarino. Em Portugal diz-se que "quem cabritos vende e cabras não tem... de algum lado lhes vem"!
Será que descobriu alguma mina de diamantes ou ouro... e não disse nada a ninguém?
Alguém dizia numa roda de amigos, que o MDM nasceu pelo desejo de mudança que se vive no País e a que nem a FRELIMO nem a RENAMO conseguem dar satisfação.
Não é democracia atirar pedras a um recém nascido... até pela cobardia que é atacar alguém só porque pensa diferente. Que os Moçambicanos possam unir-se e construír o futuro que merecem, não esquecendo que podiam bem ter evitado determinadas situações se tivessem olhado para Angola e aprendido a lição que foi o derramamento de sangue e a destruição provocados pela intolerância e ânsia da tomada do poder a todo o custo. Basta vêrem que o Presidente de Angola também não quer ninguém a disputar-lhe o poder... para não perder os previlégios de ser um dos homens mais ricos de África... enquanto o Povo continua com fome, esperando as migalhas que lhe possam calhar.
Será que o Povo Moçambicano não está farto de miséria? O sol, quando nasce, é para todos e não só para as gentes da FRELIMO.

Sem comentários:

Enviar um comentário