sábado, 8 de outubro de 2011

OS MACONDES

Mulheres Macondes

Quando os portugueses "aportaram" pela primeira vez  no Planalto dos Macondes, decorria o ano de 1917, encontraram um povo com grande unidade cultural, se bem que fosse um povo que não possuía um chefe que pudesse ocupar uma posição centralizadora ou que  pudesse ser detentor do poder político e mantivesse os numerosos grupos locais ou povoações – makaya - sob a sua autoridade.
Cada povoação era uma pequena unidade social e política independente. Obedeciam a um chefe local que viam como o chefe de uma família extensa, mas a autoridade do chefe era nula.
Os Macondes são um povo que vive  fechado  e segregado. Ninguém se aventurava a demandar o seu território. Apenas em caso de guerra todos se unem, combatendo o inimigo comum. As suas numerosas povoações são independentes e fecham-se a qualquer convívio com os vizinhos, mostrando hostilidade para com as outras populações, obrigando a um estado de alarme constante e fazendo da guerra uma ocupação e uma preocupação. As aldeias Macondes são fortificadas na periferia com cercas de árvores e arbustos espinhosos, com uma espessura entre os 20 e os 24 metros.
O povo Maconde forma uma comunidade política constituída por pequenos núcleos populacionais, independentes entre si, cada um dos quais dirigido por um chefe. O chefe da população – mwene – não tem autoridade política absoluta, a autoridade advém-lhe do facto de ser o chefe de uma família extensa. Quando há uma disputa dentro da povoação, todos recorrem a ele, para que dê uma solução. Apesar destas atribuições judiciais não se pode dizer que ele actue como juiz. Nas suas decisões é sempre ajudado pelo Conselho de Anciãos, formado pelos representantes das famílias conjugais.
Arca de arte Maconde
É um Povo étnico do Sudeste de África, oriundo do povo dos Bantos que viveu no sul do lago de Niassa. Atualmente, os Macondes estão estabelecidos no planalto de Mueda, província de Cabo Delgado, a norte de Moçambique (perto de 400 000 Macondes) e, também, no sul da Tanzânia (cerca de 900 000 Macondes).
Segundo uma lenda do povo maconde, um homem, que vivia sozinho no mato, esculpiu, a partir de um cepo de uma árvore, uma mulher de quem teve três filhos. Os dois primeiros morreram à nascença e o terceiro, que nascera num planalto, sobreviveu. Por este motivo, os primitivos Macondes escolheram os planaltos para viverem. Esta etnia manteve-se  isolada até ao início do século XX, que foi quando os Portugueses conseguiram transpor as florestas densas e as zonas íngremes que protegiam aquele povo. Em consequência deste contacto tardio com outras culturas, os seus costumes conservaram uma forte tradição e coesão. As atividades principais dos Macondes são a agricultura e a escultura. É por esta arte que são mundialmente conhecidos, sobretudo pelas suas máscaras e esculturas em madeira, reveladoras da estética e da cultura deste povo.