quarta-feira, 21 de março de 2012

MOÇAMBIQUE: A REVOLTA DO PÃO... DA DIGNIDADE...

Alguns ainda  perguntarão o que é que está a correr mal em Moçambique
Nem dá para acreditar que se faça tal pergunta , que serão a consequência duma ignorância , que desde há muito se considera injustificável. Quem vai procurando saber o que Moçambique vem fazendo para mudar as coisas, constata que realidade é chocante e nos conduz a uma pesada desilusão.
Até perto da independência  estive em Moçambique, mais precisamente em Nampula, onde estava sediado o comando militar do Norte e o comando da 3ª. Região Aérea . Durante o tempo em que ali permaneci, fiz o propósito de me integrar na sociedade local, vivendo os seus dramas, as conquistas e vitórias, doando-me por completo às causas militares e civis,  religiosas ou nem por isso, corporativas ou de utilidade para a juventude, etc...etc.
Foi necessária muita imaginação para me libertar do meio militar e muito do que consegui foi graças a algumas actividades que exerci,  leccionando Português, História e Desenho no 'Gago Coutinho' e na  'Neutel de Abreu'. Aí logrei encontrar amizades para a vida e foi tornada possível uma integração mais conseguida na sociedade Nampulense de então. Era agradável essa  vida social , com uma actividade cultural  interessante, mas não fiquei a pertencer à "elite intelectual" da cidade,   notoriamente partidária da oposição à Guerra Colonial... e eu até era militar, imagine-se.
 Aquelas gentes apreciavam a Frelimo, respeitavam  a sua luta e a defesa dos povos colonizados.
Depois que regressei deu-se a independência... a  descolonização... os Amigos deixaram de mandar notícias... as que vinham de Moçambique eram confusas por demais...
Mantive atenção ao que se lá passava  até que se deu o desaparecimento de Samora Machel.... Moçambique continuou em busca de um  destino, mas tem menos potencialidades que Angola, em todos os sentidos...Vai-se arrastando ano após ano na  luta pela sua democracia...
É uma realidade aquilo que sempre pensei. A revolta do pão mostrou  uma realidade que  chocou. Concluo que tudo está a correr mal em Moçambique :
" Estas manifestações são contra um Governo de corruptos em que os ministros entam de calças na mão e saem de fato Armani"...
"Há células da Frelimo em quase todas as empresas e quem discorda da linha oficial sofre as consequências..."
Há uma promiscuidade enorme entre o poder político e o económico. A maior parte das vezes os ministros e os generais são sócios das grandes empresas do país. Praticamente não existem grandes empresários sem terem uma intima relação com a Frelimo, o partido maioritário com 75% dos votos. O próprio presidente Armando Guebusa é milionário... ninguém sabendo como..."
"Esta foi uma revolta de Barrigas . ...subiu tudo duma vez... A dieta  consta invariavelmente de chima - um prato de farinha de milho - , que se vai aquecendo e mexendo até fazer uma simples papa. Uma panela, pequena tem que alimentar 5 pessoas. Para acompanhar a chima cozinha-se um pouco de peixe seco ou serve-se com couves cozidas à parte. Não pode é ser feita com carne , quase nunca, porque apenas " Comemos carne uma vez por ano. É que um frango custa 130 metias (3 euros). Apenas lhe chega quem tem um bom salário, mas estes são apenas os quadros da FRELIMO!"

Sem comentários:

Enviar um comentário